Domingo, 6 de Abril de 2008

Sem pena

Jurei que a Semente ia ser diferente.
Mas não a tenho regado com mais nada do que água salgada…o fado vai ser o mesmo, e, afinal, sempre esteve na minha mão. Não acredito que esteja escrito mas sim que somos nós que o escrevemos, e eu sempre a tive esta mania da poesia para tudo.
E como poeta que é poeta sofre, chora e se demora na dor, na saudade, na esperança e na ilusão eu continuo a tecer estrofes de nós, a acreditar numa métrica perfeita e impossível. Mas o que nós temos já não tem som, já quase nem é diálogo. Deixou de o ser antes que eu te acabasse de escrever a verdadeira carta de amor que sempre quis escrever. Agora já não quero nem consigo. O poeta não é tão fingidor como dizem.
E como o amor é cego mas não é mudo, não para mim que gosto de condensar o mundo num só grito quando estou com o coração cheio…
agora que nada se ouve…
vou esvaziar o que possa ter ficado de ti que eu queria tanto que ficasses na morada para onde um dia pensei enviar-te a tal carta.


solto por anacanela às 03:17
| comentar | favorito
2 comentários:
De Hellmaster a 22 de Abril de 2008 às 13:51
'condensar o mundo num só grito ' ja dizia florbela espanca.
permita-me entao completar esse post com outro igualmente forte...

'Se me ponho a cismar em outras eras
Em que ri e cantei, em que era querida,
Parece-me que foi noutras esferas,
Parece-me que foi numa outra vida...
E a minha triste boca dolorida,
Que dantes tinha o rir das primaveras,
Esbate as linhas graves e severas
E cai num abandono de esquecida!
E fico pensativa, olhando o vago...
Toma a brandura plácida de um lago
O meu rosto de monja de marfim...
E as lágrimas que choro, branca e calma,
Ninguém as vê brotar dentro da alma,
Ninguém as vê cair dentro de mim!'


De Pedro Emanuel a 20 de Novembro de 2008 às 13:42
Será que o amor ainda é cego?
O Sérgio Godinho, na Etelvina, a certa altura dizia:

Etelvina já sabia que não ia encontrar
Nem um príncipe encantado, nem um lobo do mar
Só alguém a quem pudesse dizer assim :

O amor já não é cego
Abre os olhinhos à gente
Faz lutar com mais apego
A quem quer vida diferente

amar de olhoa bem abertos é o derradeiro desafio, até porque o amor é luz que não cega

um beijo


Comentar post

.essência

A vida é uma mão cheia de areia ... a escorrer por entre os dedos do tempo, e no nosso espaço interior cria dunas de poesia

.últimos grãos

. mea culpa

. ao fundo

. ...

. aquilo que era único

. entre vistas

. ...

. Um Par Im

. cor

. Sem pena

. respirar

.pelo areal

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

.subscrever feeds