Domingo, 6 de Abril de 2008

Sem pena

Jurei que a Semente ia ser diferente.
Mas não a tenho regado com mais nada do que água salgada…o fado vai ser o mesmo, e, afinal, sempre esteve na minha mão. Não acredito que esteja escrito mas sim que somos nós que o escrevemos, e eu sempre a tive esta mania da poesia para tudo.
E como poeta que é poeta sofre, chora e se demora na dor, na saudade, na esperança e na ilusão eu continuo a tecer estrofes de nós, a acreditar numa métrica perfeita e impossível. Mas o que nós temos já não tem som, já quase nem é diálogo. Deixou de o ser antes que eu te acabasse de escrever a verdadeira carta de amor que sempre quis escrever. Agora já não quero nem consigo. O poeta não é tão fingidor como dizem.
E como o amor é cego mas não é mudo, não para mim que gosto de condensar o mundo num só grito quando estou com o coração cheio…
agora que nada se ouve…
vou esvaziar o que possa ter ficado de ti que eu queria tanto que ficasses na morada para onde um dia pensei enviar-te a tal carta.


solto por anacanela às 03:17
| favorito
Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.


.essência


. ver perfil

. seguir perfil

. 6 seguidores

A vida é uma mão cheia de areia ... a escorrer por entre os dedos do tempo, e no nosso espaço interior cria dunas de poesia

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.últimos grãos

. mea culpa

. ao fundo

. ...

. aquilo que era único

. entre vistas

. ...

. Um Par Im

. cor

. Sem pena

. respirar

.pelo areal

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

.subscrever feeds